Pagina seguinte
EQUIPAMENTO QUE PERMITE A VISUALIZAÇÃO DO ÂNUS, RECTO E CÓLON Na visualização do intestino grosso (ânus, recto e cólon), endoscopia baixa,  pode utilizar-se o seguinte equipamento: 1.ANUSCÓPIO - é um tubo rígido cilíndrico com menos de 3 cm de diâmetro e menos de 10 cm de comprimento. Utiliza-se para observar o ânus e no tratamento  das hemorróidas (ligadura elástica ou esclerose), e no tratamento da fissura anal crónica para injectar a toxina botulínica etc 2.RECTOSIGMOIDOSCÓPIO - é um tubo rígido, cilíndrico com cerca de 3 cm de diâmetro e 25-30 cm de comprimento. Foi um instrumento muito importante (cerca de 50% dos pólipos e dos cancros do intestino grosso estão ao seu alcance) antes da divulgação dos aparelhos flexíveis na década de 70 do século passado. Hoje pouco ou nada se utilizam. Na maior parte dos serviços foram arrumados muna prateleira do museu. 3.RECTOSIGMOIDOSCÓPIO FLEXÍVEL ou FIBROSIGMOIDOSCÓPIO - é um aparelho flexível, cilíndrico com    < 12 mm de diâmetro e 30-40 cm ou 60-70 cm de comprimento. O pouco incomodo que esta técnica causa, a facilidade na limpeza do intestino com um simples clister, a rapidez da execução e, sobretudo, o facto de a maior parte dos pólipos e cancros se situarem nos últimos 60 cm do intestino grosso são os argumentos que defendem o uso deste aparelho. Campanhas de rastreio do cancro do cólon e recto, com fibrosigmóidoscopio, conseguem uma diminuição da mortalidade que atinge os 80%. O resultado conseguido com a colonoscopia total não é significativamente superior, talvez porque é mais difícil de conseguir uma boa limpeza do cólon direito e o diagnóstico dos pólipos é mais difícil. Os pólipos do lado direito são em muito menor número. 4.COLONOSCÓPIO -  o colonoscópio é um tubo cilíndrico com um diâmetro igual ou inferior a 14 mm e um comprimento de 130-160 cm (colonoscópio curto) ou 160-180 cm (colonoscópio longo). Qualquer deles pode ver todo o cólon (colonoscopia total). A colonoscopia total é o exame de eleição mas, a limpeza do cólon direito sobretudo do cego nem sempre se consegue. A dor e desconforto que o exame pode provocar, exige uma sedação superficial ou profunda que não é isenta de efeitos colaterais: a perfuração do cólon quase só acontece nos exames feitos com sedação. Os aparelhos flexíveis têm um canal que permite a passagem de ansas que podem executar a biopsia e vários tratamentos: polipectomia, mucosectomia, esclerose de vasos sangrantes etc. EM RESUMO: Com os aparelhos que acabamos de descrever realizam-se técnicas que permitem visualizar partes do Intestino Grosso ou a sua totalidade: ANUSCOPIA - visualização do ânus RECTOSCOPIA - visualização do ânus e recto (até aos 20 cm) FIBROSIGMOIDOSCOPIA - visualização do recto e sigmoide (até aos 60 cm) COLONOSCOPIA ESQUERDA - visualização da parte esquerda do cólon. (é na parte esquerda que existem a maior parte, mais de 80%, dos tumores benignos e malignos.) COLONOSCOPIA TOTAL - visualização total do cólon se for possível porque em cerca de 5% a 10% não se consegue ver todo o cólon. PREPARAÇÃO PARA A COLONOSCOPIA A limpeza do intestino grosso é fundamental para uma boa observação. Dos vários métodos utilizados na limpeza é impossível dizer qual o ideal. O Citrafleet é constituído por laxantes, o picosulfato de sódio e o citrato de magnésio, misturados numa saqueta e devem ser dissolvidos num copo com cerca de 150-250 ml de água da torneira. A solução deve ser mexida durante 2-3 minutos e fica com aspecto turvo. Se a colonoscopia é feita pela manhã recomenda-se tomar a primeira dose no o dia anterior ao exame às 18 horas e a segunda dose às 21-22 horas. Se a colonoscopia for feita de tarde bebem-se os primeiros 150 ml da solução de citrafleet às 21horas  e os segundos 150 ml às 8 horas do dia do exame. Não se justifica passar fome mas não se devem comer alimentos com fibra. O ideal é começar a alimentação sem fibra 2 dias antes. Pode comer-se: pão branco, ovos cozidos, queijo fresco, puré de batatas, arroz branco, massa simples, caldo de carne, torradas com manteiga, gelatina... Devem beber-se muitos líquidos de preferência água. Pode ver-se a preperação que recomendamos QUAIS AS RAZÕES PARA FAZER UMA COLONOSCOPIA? •O rastreio do cancro do cólon e do recto - esta é a razão que justifica a maior parte das colonoscopias •As perdas de sangue pelo ânus, anemia •Sangue oculto nas fezes (?) (prática muito utilizada mas de valor duvidoso) •Emagrecimento •Diarreia persistente •Observação de anomalia ou imagem por outro meio de diagnóstico OUTRAS RAZÕES MENOS EVIDENTES •Prisão de ventre (obstipação) •Flatulência •Alteração dos hábitos intestinais •Dor É NECESSÁRIO SUSPENDER A MEDICAÇÃO HIPOCOAGULANTE? Muitas pessoas tomam um ou mais do que um antitrombótico: aspirina, clopidogrel, varfarina e heparina. A realização de endoscopia alta ou colonoscopia mesmo que seja feita biopsia não implica a suspensão de nenhum destes medicamentos. Há técnicas endoscópicas: polipectomia, esfincterotomia, mucosectomia etc; em que o risco de hemorragia é maior e exigem suspensão da terapêutica hipocoagulante. Estas técnicas são geralmente realizadas em meio hospitalar. SEDAÇÃO  -  ANESTESIA Anestesia quer dizer ausência de sensação de consciência (bloqueio da sensibilidade e da dor) ANESTESIA: 1.Geral 2.Regional (epidural e raquideana) 3.Local 4.Sedação:      1.ligeira (moderada ou consciente)      2.profunda Apenas nos interessa a SEDAÇÃO mas para evitar confusões vamos dar uma ideia sobre cada um dos tipos de anestesia. A anestesia geral utiliza-se na grande cirurgia - fica-se inconsciente durante o procedimento. Na anestesia regional o anestésico é injectado junto da medula. Pode ficar-se acordado ou a dormir. A anestesia local utiliza-se em zonas localizadas onde se injecta o anestésico. A sedação reduz a ansiedade e a dor. É utilizada em procedimentos como a colonoscopia: A sedação superficial é feita com uma bensodiazepina (midazolan ou diazepan) e um analgésico. Está-se consciente, acordado. É executada pelo endoscopista. A  sedação profunda é executada pelo anestesista que utiliza o propofol um hipnótico, uma bensodiazepina e um analgésico. Durante o exame dorme-se e, está ausente a resposta a estímulos verbais ou tácteis. A colonoscopia, mesmo a colonoscopia total, pode ser feita sem sedação mas, na maior parte dos casos, a dor exige uma sedação superficial ou uma sedação profunda. COMO É FEITA A COLONOSCOPIA? O colonoscópio é introduzido pelo ânus, passa a ampola rectal, a sigmóide,  o cólon descendente, cólon transverso, ângulo hepático, cólon ascendente e cego. Durante a progressão é necessário insuflar ar para ser possível a progressão. Atingido o cego retira-se o colonoscópio lentamente procurando alguma lesão que tenha passado durante a introdução. Se for necessário faz-se biopsia da mucosa ou se for visto algum pólipo retira-se com a pinça de biopsia ou com uma ansa. O material retirado é enviada  ao médico patologistra pra o examinar DEPOIS DA COLONOSCOPIA POSSO FAZER A VIDA NORNAL? Se fizermos sedação temos de regressar a casa acompanhados e, não podemos conduzir nem utilizar aparelhos cortantes até ao fim do dia.  COLONOSCOPIA TEM RISCOS? Tem. A hemorragia e a perfuração são as duas complicações mais temíveis . A perfuração é mais frequente quando: 1º- se faz sedação profunda, 2º- depois dos 70 anos 3º- quando existe doença diverticular. A perfuração pode passar despercebida durante a colonoscopia e só se diagnosticar dias depois. Por vezes uma semana depois. É quase sempre  necessário recorrer á cirurgia no caso de ter havido perfuração. A hemorragia acontece sobretudo depois da polipectomia. Por vezes a hemorragia acontece dias depois da polipectomia. Apesar destas complicações a mortalidade causada pela colonoscopia é rara. OUTROS SITES Em espanhol do NDDIC:  colonoscopia Em inglês do NDDIC: colonoscopy
Rectosigmoidoscópio COLONOSCÓPIO - 160-180 cm Rectosigmoidoscópio  flexível - 60 cm

ENDOSCOPIA

Endoscopia baixa (colonoscopia)