Gastrites e Gastropatias - Duodenites

Gastrite significa inflamação do estômago geralmente causada por agentes infecciosos: bactérias ou vírus. A bactéria Helicobacter pilory é de longe a causa principal de gastrite. As gastrites podem ser agudas ou crónicas. Algumas alterações descritas nesta página, não são gastrites porque não existe inflamação e, por isso, são designadas gastropatias. As erosões do estômago, pequenas perdas superficiais de mucosa gástrica, são gastropatias porque não existe inflamação ou a inflamação é mínima. As gastropatias são geralmente causadas por agentes físicos (hipovolémia, shock), agentes químicos (fármacos, álcool, bílis etc.), stress severo etc. A - GASTRITE AGUDA A gastrite aguda é, na maior parte dos casos, uma situação passageira de que não nos apercebemos e que, ou cura em poucos dias, ou evolui para gastrite crónica. É tão passageira que quase nunca é diagnosticada.

QUAIS AS CAUSAS DE GASTRITE AGUDA E EROSÕES AGUDAS

(gastropatias)?

Helicobacter pylori e outras bactérias, vírus e tóxicos Álcool Anti-inflamatórios não esteróides (AINE) Gastrite rádica (pessoas que fazem tratamento com radiações. Stress grave dos queimados, dos traumatizados do crânio, dos doentes com insuficiência respiratória, dos doentes com sépsis: estas situações podem ser a causa de erosões agudas, por vezes, responsáveis por hemorragia grave. O Helicobacter pylori , causa inicialmente gastrite aguda transitória, que poderá causar dor e que evolui para gastrite crónica. A gastrite de Marshall O álcool, a aspirina e os AINE são uma causa frequente de erosões agudas. A GASTROENTERITE é uma inflamação aguda (geralmente resulta de infecção ou toxinas) do estômago (gastrite) e do intestino (enterite), muito frequente e, na maior parte dos casos, está relacionada com intoxicação alimentar. Além das náuseas e vómitos é acompanhada de diarreia. Evolui para a cura em poucos dias. Ingerir líquidos para evitar a desidratação é o mais importante do tratamento.

B - GASTRITE CRÓNICA

Quando dizemos que temos gastrite queremos dizer que temos uma gastrite crónica, é a infecção mais frequente do mundo e poucas vezes causa sintomas

GASTRITE PELO HELICOBACTER PYLORI (Gastrite B)

Quando alguém diz que tem “gastrite” muito provavelmente, quer dizer, que tem gastrite crónica causada pelo helicobacter pylori. Desde os anos 80 do século passado que sabemos que a bactéria Helicobacter pylori é responsável pela infecção mais frequente no mundo (atinge mais de 50% da população mundial). Esta gastrite crónica quase nunca causa sintomas. Quando nos queixamos de desconforto, dor e enfartamento no estômago, e a pesquisa do helicobacter é positiva, é pouco provável, que as nossas queixas desapareçam se erradicarmos o helicobacter. Muito provavelmente as queixas continuam. numa minoria de doentes, em menos de 10%, as queixas desaparecem depois do tratamento porque o helicobacter não é o responsável. A causa dessas queixas é desconhecida. A gastrite crónica é quase sempre (ou sempre?) assintomática. Se a estirpe do helicobacter é agressiva a gastrite crónica pode evoluir para gastrite crónica activa e gastrite crónica atrófica na qual pode aparecer metaplasia intestinal (as células da mucosa gástrica são substituídas por células intestinais). Nesta gastrite crónica com metaplasia intestinal pode aparecer displasia - uma lesão preneoplásica. Não há provas de que a erradicação do helicobacter na gastrite crónica evite a evolução para displasia e cancro. Nos casos de displasia talvez se justifique fazer rastreio anual do cancro do estômago. Em Portugal mais de 70% da população adulta tem helicobacter no estômago e gastrite crónica e, nada de mal lhes irá acontecer. A maior parte das pessoas com gastrite crónica nunca terão cancro do estômago.

OUTRAS GASTRITES INFECCIOSA

Para além da gastrite pelo Helicobacter pylori pode haver outras causas muito raras:

gastrite granulomatosa da tuberculose e da sífilis, e também o streptococcus, a Escherichia coli, o staphilococcus

podem causar gastrite.

O Clostridium pode ser, embora muito raramente, causa de gastrites graves, sobretudo em indivíduos debilitados,

alcoólicos, com SIDA...

As gastrites por fungos (cândida, histoplasma etc.) assim como as gastrites por vírus (cytomegalovírus, herpes vírus

etc.) são situações muito muito, muito raras. No entanto, nos indivíduos com SIDA é frequente encontrar gastrite

pelo citomegalovírus (CMV), por cândidas e outros agentes

GASTRITE AUTOIMUNE - (GASTRITE A)

Também designada por gastrite A ou gastrite da Anemia Perniciosa (Anemia de Biermer ou doença de Biermer). É pouco frequente em Portugal. Na Anemia Perniciosa. uma atrofia da mucosa gástrica em que desaparecem as células que produzem o factor intrínseco e ácido clorídrico. O factor intrínseco é indispensável para que a absorção de vitamina B12 se faça no intestino delgado. A Vitamina B12 existe na carne, nos peixes,nos ovos e no leite. Não se encontra nas plantas. Os anticorpos anti-células parietais são frequentes mas nãoi específicos, os anticorpos anti-factor intrínseco são mais significaivos mas são raros. O tratamento faz-se com Vitamina B12 intramuscular O tratamento oral bem feito é eficaz As causas de carência de Vitamina B12 podem ser várias: Carência alimentar o Vegetarianos Deficiente absorção o estômago Anemia perniciosa Gastrectomia Deficiência congénita de factor intrínseco o intestino delgado resseção do íleo proliferação bacteriana sprue tropical GASTRITE LINFOCÍTICA (Gastrite varioliforme ou gastropatia papulosa) Muitas vezes associada a pápulas umbilicadas e por isso denominada gastropatia papulosa (imagem ao lado), por vezes também denominada gastrite varioliforme por causa do aspecto. Esta gastrite parece não causar sintomas e, não se conhece nenhum tratamento eficaz. É uma afecção anódina? Estará, pelo menos nalguns casos, relacionada com o helicobater? Também pode estar associada à doença celíaca.

GASTRITE GRANULOMATOSA (muito rara)

da doença de Crohn, da tuberculose, da sífilis, da sarcoidose etc.

GASTRITE A EOSINÓFILOS

entidade muito rara.

DOENÇA DE MÉNÉTRIER (muito rara)

também chamada gastropatia hipertrófica ou gastrite de pregas gigantes: situação rara caracterizada por pregas gigantes no corpo do estômago associada a náuseas, diarreia e a perdas de proteínas, podendo dar origem a um edema generalizado. A causa é desconhecida.

C

-

DUODENITES

A inflamação da mucosa do duodeno pode aparecer associada à gastrite causada pelo H. pylori . Essa mucosa inflamada do bulbo (bulbite) duodenal pode ser substituída por mucosa do estômago e ser colonizada pelo H. pylori. Admitem alguns peritos que esse será o mecanismo inicial para o aparecimento da úlcera do duodeno. Também alguns vírus, bactérias e parasitas podem invadir o duodeno e ser causa de duodenite, mas são situações raras. Por vezes a mucosa do duodeno tem aspecto nodular e, alguns chamam-lhe mesmo duodenite nodular. Ao exame microscópico observa-se nuns casos duodenite, noutros mucosa gástrica e noutros hiperplasia das glândulas de Brunner. Não se sabe se estas alterações têm significado clínico.

COMO SE DIAGNOSTICAM AS GASTRITES E DUODENITES?

O diagnóstico das gastrites é feito pelo exame histológico dum fragmento de biopsia do estômago ou do duodeno. A endoscopia e a radiologia não servem para afirmar com certeza esse diagnóstico. Quando o fazem erram muitas vezes. A endoscopia pode afirmar a existência de erosões ou de pápulas varioliformes da gastrite linfocítica ou suspeitar das pregas hipertróficas que podem indicar uma doença de Ménétrier. outros sites sobre gastrite: em português, no Brasil: ABC da saúde gastrite
Erosões do antro num doente que tomava anti-inflamatórios.
Erosões no antro dum doente que tomava clonixina (AINE).
Gastrite varioliforme - pápulas umbilicadas dispostas em rosário

ESTÔMAGO